Pesquisar por:

0-9 | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | k | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

UREIA URINARIA (24 HORAS)

Material: urina 24 horas

Sinônimo:

Volume: 20,0 mL

Método: Enzimático

Volume Lab.: 20,0 mL

Rotina: Diária

Resultado: 3 dias

Temperatura: Refrigerado

Coleta: Coletar urina de 24 horas. Encaminhar uma alíquota de 20,0 mL junto com a informação do volume total urinário

Código SUS: 0202010694

Código CBHPM: 4.03.02.58-0

Interpretação:
Ver Uréia Urinária.

UREIA

Material: soro

Sinônimo: Nitrogênio uréico

Volume: 1.0 mL

Método: Enzimático/automatizado

Volume Lab.: 1.0 mL

Rotina: Diária

Resultado: 3 dias

Temperatura: Refrigerado

Coleta: Jejum não necessário.

Código SUS: 0202010694

Código CBHPM: 4.03.02.58-0

Interpretação:
Uso: avaliação da função renal.
A uréia é uma das principais substâncias nitrogenadas do organismo, sendo sintetizada no fígado a partir de CO2 e amônia, provenientes da deaminação de aminoácidos. O composto é o principal produto de excreção do metabolismo protéico. Após sua síntese, é liberada na corrente sanguínea, seguindo até os rins, onde éfiltrada ao plasma pelos glomérulos. A maioria da uréia filtrada é excretada na urina, porém até 40% pode ser reabsorvida por difusão passiva durante a passagem pelos túbulos renais. A quantidade reabsorvida dependedo fluxo urinário e do estado de hidratação do indivíduo. Pequenas quantidades de uréia são excretadas pelo trato gastrointestinal e pele.
Os níveis plasmáticos de uréia são mantidos por um equilíbrio entre perfusão e função renal, conteúdo protéico da dieta e catabolismo protéico. A uréia, embora menos específica para função renal do que a creatinina, é mais sensível a alterações iniciais da função renal, sendo importante marcador nestas condições.
Valores aumentados: insuficiência renal aguda ou crônica, insuficiência cardíaca congestiva, desidratação severa, choque, catabolismo protéico aumentado (hemorragia no trato gastrointestinal, infarto agudo do miocárdio, stress, neoplasmas, ingestão excessiva de proteínas), perda muscular, uso de medicamentos (tetraciclinas com uso de diuréticos, por exemplo).
Valores diminuídos: gravidez (segundo trimestre), diminuição do consumo de proteínas, uso de reposição de fluidos intravenosa, insuficiência hepática severa, infância, SIADH, acromegalia, desnutrição, certos medicamentos (hormônios anabolizantes, cloranfenicol, estreptomicina).

UREAPLASMA UREALYTICUM, Cultura

Material: Secreção em meio de transporte R1

Sinônimo: Cultura de PPLO

Volume: Variável

Método: Isolamento em meios de cultura UREE-Arginine LYO 2

Volume Lab.: Variável

Rotina: Diária

Resultado: 7 dia(s)

Temperatura: Refrigerado

Coleta: Material: secreção vaginal/secreção uretral/urina.
Deixar o frasco de Mycoplasma R1 atingir a temperatura ambiente.
1.Secreção vaginal: colher com auxílio de swab estéril, posicionar o mesmo gentilmente mas com firmeza, evitar que entre em contato com a superfície do epitélio. É importante efetuar bem a raspagem da mucosa para coletar o maior número de células possível. 2. Secreção uretral: limpar a abertura da uretra com gaze ou algodão esterilizado. A seguir, introduzir com cuidado, um swab cerca de 2 cm, girando-o delicadamente. O espécime é recolhido pelo menos 2 horas após o paciente ter urinado.
Colocar imediatamente o material colhido com swab em meio de transporte Mycoplasma R1. Fazer certa agitação do swab no meio líquido de forma que o material se disperse; comprimir o swab nas paredes do tubo retirando todo excesso de líquido a fim de evitar perda do material; retirar o swab e descartá-lo; encaminhar o meio de transporte para posterior cultura em até 48 horas sob refrigeração.
3.Urina: colher em frasco estéril e recomenda-se estar pelo menos 2h sem urinar. Colocar imediatamente após a coleta, 200 ul da urina no Mycoplasma R1 e enviar para o laboratório sob refrigeração. Obs.: Nos casos em que há outros pedidos deixar a coleta para Mycoplasma por último ou penúltimo se houver pedido de Chlamydia.