Pesquisar por:

0-9 | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | k | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

STRONGYLOIDES STERCORALIS (PESQUISA)

Código: PSS

Material: Fezes

Sinônimo:

Volume: Variável

Método: Microscopia

Volume Lab.: Variável

Rotina: Diária

Resultado: 1 dia

Temperatura: Ambiente

Coleta: O paciente não deve utilizar medicamentos ou produtos químicos por um período de 7 a 10 dias antes da colheita das fezes. As fezes devem ser colhidas em penico ou em um recipiente limpo e seco, ou em folha de papel limpo e transferidas para o frasco coletor limpo e seco, o qual deve ser de plástico, com boca larga e tampa de rosca. Recolher cerca de 20 a 30g de fezes recentemente emitidas.

Código SUS: 

Código CBHPM: 

Interpretação: Os helmintos (classe em que se encontra o parasita Strongyloides stercoralis) são parasitas complexos, compostos por várias células e órgãos internos. Podem medir desde centímetros até alguns metros de comprimento. Ao contrário dos protozoários que se multiplicam dentro do hospedeiro, os helmintos produzem ovos e larvas que só se desenvolvem ao serem lançados no ambiente junto com as fezes. As pessoas se contaminam ao ingerir esses ovos e larvas.

SÓDIO

Material: Soro p/ NACLK

Sinônimo: Natremia

Volume: 1.0 mL

Método: Eletrodo seletivo

Volume Lab.: 1.0 mL

Rotina: Diária

Resultado: 4 dias

Temperatura: Refrigerado

Coleta: Jejum não obrigatório. Hemólise interfere no resultado, assim como medicamentos a base de corticosteróides, metildopa, bicarbonato de sódio e anti- hipertensivos.

Código SUS: 0202010635

Código CBHPM: 4.03.02.42-3

Interpretação:
Uso: avaliação do equilíbrio hidro-eletrolítico.
Valores aumentados: perda excessiva de água através da pele, pulmões e rins (diabetes insipidus, acidose diabética, síndrome de Cushing, coma, doença hipotalâmica).
Valores diminuídos: diarréia, vômitos, abuso de diuréticos, pielonefrite crônica, acidose metabólica, acidose tubular renal, diurese osmótica, insuficiência adrenocortical primária e secundária.
Interferentes: esteróides anabolizantes +, andrógenos +, carbenicilina +, clonidina +, corticosteróides +, estrógenos +, metildopa +, anticoncepcionais orais +, fenilbutazona +, reserpina +, bicarbonato de sódio +, aminoglicosídeos -, anfotericina B -, angiotensina -, captopril -, carbamazepina -, diuréticos -, manitol -, alopurinol -, agentes antiinflamatórios -, vasopressina -.

SM – ANTICORPO ANTI

Material: soro

Sinônimo: SM – C (IGF-I)

Volume: 1,0 mL

Método: Quimioluminescência – CLIA

Volume Lab.: 1,0 mL

Rotina: Diária

Resultado: 6 dias

Temperatura: Refrigerado

Coleta: Jejum recomendado, mas não obrigatório.

Código SUS: 0202060322

Código CBHPM: 4.03.16.44-0

Interpretação:
O hormônio do crescimento estimula a produção do somatomedina ou IGF-1(fator de crescimento tipo insulina I) no fígado. Células ósseas e musculares também o produzem. Tanto o hormônio do crescimento quanto o IGF-1 são fundamentais para o crescimento e desenvolvimento dos tecidos e órgãos humanos.

Sua dosagem é utilizada para o diagnóstico de baixa estatura e também é um índice de a nutrição. Também é utilizado no diagnóstico de acromegalia (diagnóstico como na monitoração terapêutica), avaliação de hipopituitarismo e lesões hipotalâmicas em crianças, resposta a terapia.

Níveis elevados: durante os disparos de crescimento na puberdade

Níveis baixos: ocorrem na infância e na velhice, e em pacientes com deficiência do hormônio de crescimento (nanismo hipofisário).

Níveis não detectáveis concomitantes com níveis elevados de GH são característicos da síndrome de Laron.

SHBG – Globulina transp. horm. sexuais

Material: soro

Sinônimo: SHBG

Volume: 1,0 mL

Método: Quimioluminescência

Volume Lab.: 1,0 mL

Rotina: Diária

Resultado: 4 dias

Temperatura: Refrigerado

Coleta: Para todas as idades jejum mínimo necessário de 4 horas.

Código SUS:

Código CBHPM: 4.03.16.30-0

Interpretação:
Uso: avaliação de estados de hiperandrogenismo; avaliação dos estados de hipertireoidismo.
A SHBG é uma proteína sintetizada a nível hepático, tendo como função o transporte plasmático de alguns hormônios sexuais (estradiol, testosterona, outros andrógenos).
Valores aumentados: uso de medicamentos (estrogênios, tamoxifen, fenitoína, hormônios tireoidianos), hipertireoidismo, cirrose hepática, gravidez.
Valores diminuídos: uso de medicamentos (androgênios, glicocorticóides, hormônio de crescimento), hirsutismo, síndrome do ovário policístico, hipotireoidismo, acromegalia, obesidade.

SEROTONINA

Material: Soro Congelado

Sinônimo: 5 HT – 5-Hidroxitriptamina

Volume: 3,0 mL

Método: Cromatografia Líquida de Alto Desempenho (HPLC)

Volume Lab.: 3,0 mL

Rotina: 2ª e 3ª feira

Resultado: 11 dias

Temperatura: Congelado

Coleta: Coletar soro. Seguir as instruções a seguir :
O paciente não deve ingerir, na véspera e no dia da coleta do exame, os seguintes Alimentos: café, chá, chocolate, mate, refrigerante, abacate, abacaxi, ameixa, banana, berinjela, pickles, kiwi, manga, nozes, tomate, alimentos aromatizados com baunilha e bebidas alcoólicas.

Código SUS: 0202060071

Código CBHPM: 4.03.05.11-2

Interpretação:
Uso: diagnóstico de tumores carcinóides.
5-hidroxitriptamina ou serotonina (5-HT) é uma indolamina produto da hidroxilação e carboxilação do aminoácido L-Triptofano na seguinte seqüência bioquímica: L-Triptofano- L-50H Triptofano – 5-OHTriptamina ou Serotonina.
O teste mais empregado habitualmente é o 5-hidróxi-indol-acético na urina. Quando os valores encontrados são limítrofes ou normais e há forte evidência de síndrome carcinóide, está indicada a dosagem da serotonina. O ácido 5-hidróxi-indol-acético é o maior metabólito da serotonina.
Na síndrome carcinóide e em especial nos tumores carcinóides abdominais metastáticos , apresenta valor > 400 ng/ml. Pode também estar associado a Neoplasias Endócrinas Múltiplas, tipos I e II.
Pequeno Aumento em algumas doenças como: Dumping Síndrome, Obstrução Intestinal Aguda, Fibrose cística, Infarto agudo do miocárdio, Spru não tropical.
Diminuída : Depressão severa, Doença de Parkinson ,Síndrome de Down, fenilcetonúria não tratada,
Interferentes : lítio,morfina, reserpina, imipramina, fenotiazida, metildopa, ACTH, levodopa, acetaminofen, inibidores da MAO.
Bibliografia :Tagari PC, et al. Simplified determination of serotonin in plasma by liquid chromatography with electrical detection. Clin Chem; 30:131-135,1984.

SEDIMENTO CORADO – GRAM

Material: Conteudo cervico/vaginal

Sinônimo: Gram

Volume: 0.2mL

Método: Microscopia (Coloração de Gram)

Volume Lab.: Mínimo de 200 uL

Rotina: Diária

Resultado: 4 dias

Temperatura: Refrigerado

Coleta: 1 – A paciente nao deve fazer a higiene genital antes da colheita do material. 2 – Pode ser colhida no período da tarde, desde que a paciente não tenha feito a higiene genital há pelo menos 2 horas.
Realizar a coleta, preferencialmente com alça descartável, e colocar o material em lâmina.
OBS: Coletar pelo menos 2 lâminas!!! Exame não realizado em STUART.

Código SUS: 0202080145

Código CBHPM: 4.03.10.06-0

Interpretação:
Uso: diagnóstico das vaginites; pesquisa de Trichomonas, Gardnerella, Leptothrix, diplococos Gram-Negativos, Streptococcus, Mobiluncus, Fusobacterium, fungos com pseudo-filamentação e elementos isolados; informar a relação leucócitos polimorfonucleares/células epiteliais.

SECREÇÃO VAGINAL – BACTERIOSCOPIA

Material: Conteudo cervico/vaginal

Sinônimo: Gram

Volume: 0.2mL

Método: Microscopia (Coloração de Gram)

Volume Lab.: Mínimo de 200 uL

Rotina: Diária

Resultado: 4 dias

Temperatura: Refrigerado

Coleta: 1 – A paciente nao deve fazer a higiene genital antes da colheita do material. 2 – Pode ser colhida no período da tarde, desde que a paciente não tenha feito a higiene genital há pelo menos 2 horas.
Realizar a coleta, preferencialmente com alça descartável, e colocar o material em lâmina.
OBS: Coletar pelo menos 2 lâminas!!! Exame não realizado em STUART.

Código SUS: 0202080145

Código CBHPM: 4.03.10.06-0

Interpretação:
Uso: diagnóstico das vaginites; pesquisa de Trichomonas, Gardnerella, Leptothrix, diplococos Gram-Negativos, Streptococcus, Mobiluncus, Fusobacterium, fungos com pseudo-filamentação e elementos isolados; informar a relação leucócitos polimorfonucleares/células epiteliais.

SECREÇÃO VAGINAL – A FRESCO

Código: SEV2

Material: Secreção Vaginal

Sinônimo:

Volume: Variável

Método: Microscopia

Volume Lab.: Variável

Rotina: Diária

Resultado: 1 dia

Temperatura: Ambiente

Coleta: Realizar a coleta do material, preferencialmente com swab estéril e posteriormente colocar em tubo estéril contendo solução salina ou soro fisiológico. Paciente deverá comparecer ao laboratório, sem realizar higiene íntima, desde o banho normal do dia anterior.

Código SUS: 

Código CBHPM: 

Interpretação: diagnóstico das vaginites; pesquisa de Trichomonas, fungos com pseudo-filamentação e elementos isolados; informar a relação leucócitos polimorfonucleares/células epiteliais.

 

SECRECAO URETRAL, EXAME A FRESCO

Código: SUR1

Material: Secreção Uretral

Sinônimo:

Volume: Variável

Método: Microscopia

Volume Lab.: Variável

Rotina: Diária

Resultado: 1 dia

Temperatura: Ambiente

Coleta: Realizar a coleta do material, preferencialmente com swab estéril e posteriormente colocar em tubo estéril contendo solução salina ou soro fisiológico.

Código SUS: 

Código CBHPM: 

Interpretação: Pesquisa de Trichomonas, fungos e presença ou não de bactérias. Relato da relação leucócitos/células epiteliais.

 

SECREÇÃO URETRAL, BACTERIOSCOPIA

Material: secrecao uretral

Sinônimo: Gram

Volume: Suficiente para a confecção de 2 Lâminas

Método: Microscopia (Coloração de Gram)

Volume Lab.: Suficiente para a confecção de 2 Lâminas

Rotina: Diária

Resultado: 48 h

Temperatura: Refrigerado

Coleta: Coletar secreção uretral e confeccionar 2 lâminas com material não corado. Exame não realizado em STUART.

Código SUS: 0202080072

Código CBHPM: 4.03.10.06-0

Interpretação:
Uso: pesquisa de Trichomonas (coloração Giemsa), fungos, diplococos Gram-Negativos, bacilos Gram-Variáveis parasitando células epiteliais (clue cells) com morfologia de Gardnerella; relato da relação leucócitos/células epiteliais.
Algumas bactérias isoladas habitualmente fazem parte da flora bacteriana do meato anterior da uretra. Por esta razão é muito importante observar os cuidados especiais na coleta da secreção.