Pesquisar por:

0-9 | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | k | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z

PCR – PROTEINA C REATIVA

Código: PCR2

Material: Soro

Sinônimo:

Volume: 2mL

Método: Turbidimetria

Volume Lab.: 2mL

Rotina: Diária

Resultado: 1 dia

Temperatura: Refrigerado

Coleta: Coletar pela manhã em jejum mínimo de 4 horas. Lactentes podem coletar imediatamente antes da próxima mamada.

Código SUS: 

Código CBHPM: 

Interpretação: Normalmente ausente da circulação, a PCR é uma proteína alfa-2 globulina, indicadora de fase aguda do soro, de processos inflamatórios e infecciosos. Elevações ocorrem nas doenças do colágeno, pós operatórios,
infarto do miocárdio, doenças infecciosas agudas e neoplasias. Pode ser usada no seguimento do tratamento terapêutico das doenças reumáticas, como febre reumática, nos períodos de remissão ou reagudização e ainda nas vasculites sistêmicas e prognóstico do IAM.

 

PAUL BUNNEL DAVIDSON (Reação)

Material: soro

Sinônimo: Sorologia para o vírus Epstein baar, Paul Bunnel

Volume: 2.0 mL

Método: Aglutinação

Volume Lab.: 2.0 mL

Rotina: Diária

Resultado: 10 dias

Temperatura: Refrigerado

Coleta: Jejum não obrigatório. Coletar soro.

Código SUS: 0202030733

Código CBHPM: 4.03.08.34-0

Interpretação:
Uso: diagnóstico da mononucleose infecciosa; pesquisa de anticorpos heterófilos.
Os anticorpos heterófilos reagem com antígenos de superfície de eritrócitos de carneiro e cavalo, mas não com antígenos de células renais de cobaia. Estes anticorpos estão presentes em cerca de 90% dos pacientes com mononucleose infecciosa (MI), durante algum momento da evolução da doença.
Os títulos de anticorpos heterófilos diminuem após a fase aguda da mononucleose infecciosa, podendo ser detectados até 9 meses após o início da doença. A presença de anticorpos heterófilos em crianças pode dar resultados falso negativos em até 40% dos casos (em adultos até 10%). Por esta razão o uso da pesquisa de anticorpos específicos passa a ser rotina no diagnóstico laboratorial de MI. A confirmação do diagnóstico é feita com a pesquisa de anticorpos específicos da classe IgM contra o antígeno do vírus capsídeo (VCA). Estes anticorpos são detectados 1 a 2 semanas após a infecção.